Dexter: o serial killer que conquistou o mundo

Faz tempos que Dexter está aqui na lista de séries a serem resenhadas e, finalmente, consegui parar para falar um pouquinho desse serial killer que conquistou muita gente mundo afora. Assisti ao seriado depois que as oito temporadas já tinham acabado. Talvez por ver tantas temporadas seguidas achei meio cansativo, especialmente nos episódios finais. Mas, ainda assim, a série tem lá seus pontos fortes que a fazem ser reconhecida como uma das melhores do gênero.

dexter

Para quem não conhece, Dexter Morgan (Michael C. Hall) é um assassino em série que se esconde atrás de uma máscara de analista forense especialista em padrões de dispersão de sangue na Divisão de Homicídios do departamento de polícia de Miami. Porém, ao contrário da maioria dos seriais killers que conhecemos, Dexter segue um código de conduta: só mata assassinos, depois de provar que eles são os responsáveis pelos seus crimes. O drama da série está nos desafios que ele encontra para cumprir seu desejo de matança sem que sua irmã, Debra Morgan (Jennifer Carpenter), ou qualquer outro conhecido descubra sua real identidade. A série apresenta uma reflexão sobre desejos e vontades contra senso de realidade e necessidade de pertencimento. Matar assassinos é uma contribuição para a sociedade? Ou ele é tão criminoso quanto qualquer outro? É possível um serial killer levar uma vida normal? Quais valores sobre amor e família os assassinos possuem?

dexter-screenshot

As primeiras temporadas são contagiantes, a ponto de ser quase impossível não fazer algumas maratonas para ver vários episódios em sequência. À medida que os personagens vão sendo apresentados, a trama vai ganhando vida – e complicações! – de tirar o chapéu. Assim como o protagonista, que tem dupla identidade, os acontecimentos vão se desenrolando paralelamente, criando comparativos de dois cenários: a vida real e o instinto assassino, mostrando um Dexter dividido entre a necessidade de derramar sangue e a ideia de constituir uma família e manter seu trabalho na polícia.

*SHO ANYTIME P1 copyright

* Contém spoilers * Com muita tensão e muitas reviravoltas, Dexter consegue se sair bem na maioria dos conflitos em que ele mesmo se coloca. Entretanto, após a morte da sua esposa na quarta temporada, a trama ganha uma nova dinâmica e dá uma desacelerada. A quinta e sexta temporadas continuam interessantes mas a partir da sétima ela cai em queda livre rumo à um final pouco impactante. Apesar do último episódio ser uma surpresa para quem assiste, só revelando a conclusão da história no último minuto, quem chega até esse ponto já está cansado de tantas fugas e tantas cabeças rolando. Na minha opinião, a Debra se descobrir apaixonada pelo seu irmão adotivo é o anúncio do fracasso que está por vir no season finale. * Fim dos spoilers *

James Manos Jr. poderia ter economizado tempo e duas temporadas para fechar com chave de ouro uma das melhores histórias de assassinos em séries já apresentadas na televisão.

E para quem curte o gênero, espera só a resenha de Hannibal 😉

Anúncios

4 pensamentos sobre “Dexter: o serial killer que conquistou o mundo

Comente!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s